Amador Brasileiro Sobrinha Putinha Dos Sonhos Socando No Cuzinho Largo Do Esposo Com Força De Recife – Pe

7 min

Categoria:

Tag:

visualizações

7 min

Categoria:

Tag:

Amador Brasileiro Sobrinha Putinha Dos Sonhos Socando No Cuzinho Largo Do Esposo Com Força De Recife – Pe

Amador Brasileiro Sobrinha Putinha Dos Sonhos Socando No Cuzinho Largo Do Esposo Com Força De Recife – Pe

Ele me largou também, parecia que ia descer. Consegui umas férias,já que ficava me dividindo entre o trabalho e os cuidados dele,e bem no início de outubro fizemos uma viagem pra Recife,onde mora minha tia Aline.

Ele queria que fizesse um filme erótico amador, onde ele seria o diretor e câmera, e eu seria sua atriz principal.

-Mas então é só isso, agora irei para casa jantar, e você vá fazer companhia a seu esposo…– Para o inferno seu encubado!Faça um favor para mim,depois como quem não quer nada,vá “assuntar” lá com Ewerton para ver o clima dele. Jorge foi logo baixando o meu calçâo e quando viu que eu não estav usando cueca foi logo dizendo, ta vendo paulinho, não te disse que ele já esperava por nós, me fez virar a bundinha pro lado do rapaz e disse, olha que coisa mais linda, pode passar a mão, eu tremia com as pernas bambas e agora era ele quem acabava de descer meu calção tirando por completo, Jorge me pegou de frente e abria minhas nádegas enquanto paulinho se abaixava e beijava minha bunda faminta, Jorge foi tirando minha camisa me deixando completamente nu, senti um frenesi maior quando senti a lingua de paulinho no meu reguinho descendo ate meu cuzinho, hummm quase desmaei, jorge aproveitou e baixou minha cabeça ate seu pau que ja tava pra fora da bermuda.

Eu comecei o serviço limpei algumas mesas depois chegou karla a filha dele ela tinha uns 18 anos morena com uns peitinhos do tamanho de um limãozinho uma bundinha não muito grande magrinha ela disse que o pai dela tinha mandado ela me ajudar eu sorri e disse tudo bem ela perguntou por onde começava eu mandei ela pegar a mangueira e ir lavando o frízer ela acabou se molhando e escorregando np chão eu fui ajudar e minha mao encostou no peitinho dela eu ajudei ela a levantar segurando ela pelas costas e sua bundinha encostou no meu pal que endureceu na hora ela me olhou eu chamei ela na cozinha e abaixei minhas calças ela ficou assustada mas ai eu peguei a mão dela e coloquei no meu pal e fiquei me masturbando com a mao dela depois virei ela de costas ela deixando tudo levantei a sainha dela puxei a calcinha de lado e encostei meu pal na sua bocetinha ela tentou se sair mais ai eu abracei ela com um braço ela disse que ia gritar eu falei que ia mais iria ser de prazer com a outra mao fui guiando meu pal ate a entrada de sua bocetinha coloquei ela sobre a mesa da cozinha e fui botando meu pal devagarzinho quando passei a cabeça ela deu uma gemidinha ai eu fui forçando e ela gemendo mais alto quando coloquei toda virei ela ela estava chorando ai eu nao aguentei acho que sou sadomasoquista comecei a meter rapido e forte ela gemendo e chorando eu via aquela cena e me dava vontade de empurrar mais eu tava metendo ate o ovo quando olhei pro meu pal entrando e saindo da bucetinha melada de sangue foi quando me dei conta da loucura que tinha feito eu tava descabaçando minha prima quer dizer ja tinha descabaçado aquela altura ela ja estava começando a gostar quando eu tava gozando atirando jatos de porra dentro dela que eu tirei meu pal melado de sangue ela pediu por mais ai eu olhei pra ela e disse que agora so da próxima ce que eu voltar me limpei e chamei ela pra terminarmos de lavar o bar mas de vez em quando ela vinha e dava uma chupadinha quando terminamos fechei o bar meu tio chegou.

Só Amanda que ficou rindo e me xingando de vadia, putinha.

Tenho 23 anos, 1,74 m, 65 kg, cabelos pretos longos, tenho um corpo bem brasileiro, bunda grande, pernas grossas e boca carnuda.

Ela não tirava o rosto do meio das pernas da sobrinha, apesar de já ter dado pra vários homens, inclusive na frente do marido, se sentia com vergonha de mostrar o prazer que sentia de saber que seria fudida pelo negro que ela havia amado, talvez pelo medo do marido notar que ela tinha encontrado, finalmente, alguém que a desse mais prazer que ele ou seu filho mais velho Anderon, talvez por medo da reação da sobrinha ao vê-la dando enlouquecidamente para o namorado dela.

Perdido entre nuvens de sonhos pornográficos (eu ja não trepava havia uns três meses), deixei as horas se passarem e quando acordei ja era quase noite. – Que tesão de bunda gigante… Ele mal disse isso e já foi metendo a língua no meu rabo… Ele ia enfiando a língua no buraquinho e dando mordidinhas na minha bunda, puxando minha cinta-liga, socando um dedo no meu cú, depois dois, três, quatro….